logotipo_flutuante

Marisa Monte

Marisa Monte

Filha de Carlos Monte, integrante da diretoria da Escola de Samba Portela. Ainda na infância, demonstrou aptidão musical nas aulas de piano, com as quais aprendeu a base da teoria e a leitura de partituras. Com nove anos de idade, ganhou de presente dos pais uma bateria. Na adolescência, estudou canto lírico e chegou a se apresentar no musical "Rocky Horror Show", em montagem dos alunos de teatro do Colégio Andrews, dirigidos por Miguel Falabella.

Em 1987, realizou, com direção de Nelson Motta, o espetáculo "Veludo azul", inicialmente no Jazzmania e depois na Casa de Cultura Laura Alvim, no Rio de Janeiro. Em São Paulo, antes de estrear show próprio, participou de uma apresentação do grupo Nouvelle Cuisine, interpretando, em dueto com Carlos Fernando, a canção "Bess you is my woman now", de George Gershwin. Seus shows foram muito bem recebidos pelo público e pela crítica especializada. Em 1989, lançou seu primeiro disco, "Marisa Monte ao vivo". Metade do repertório foi tirado de um especial exibido pela Rede Manchete, com direção de Walter Moreira Salles e Nelson Motta e produção de Lula Buarque de Hollanda, com destaque para "Bem que se quis" (versão de Nelson Motta para "E po' che fa'", de Pino Daniele), "Chocolate" (Tim Maia) e "Negro gato" (Getúlio Cortes). Dois anos depois, gravou o CD "Mais", que registrou sua estréia como compositora, em canções como "Beija eu" (c/ Arto Lindsay e Arnaldo Antunes) e "Ainda lembro" (c/ Nando Reis). O disco, gravado entre Rio de Janeiro e Nova York, com produção do guitarrista Arto Lindsay, foi outro sucesso de vendas e marcou a impulsão internacional de sua carreira, tendo sido bem recebido na Europa, no Japão, nos Estados Unidos e na América Latina, lugares onde excursionou posteriormente.

Em 2016, travou contato com a cantora portuguesa Carminho, com quem gravou “Chuva no mar”, incluída no disco “Canto”. No ano seguinte, as duas voltaram a se encontrar para uma série de shows em Oeiras e no Porto, em Portugal. No repertório dos encontros, “Dança da solidão”, “Vilarejo”, “Os argonautas”, “Chuva no mar”, “Saudades do Brasil em Portugal”, “O vira”, “Amor, I love you” e “Velha infância”, além de músicas interpretadas apenas por ela, como “”Depois”, “Beija eu”, “Ainda bem”, “Passe em casa”, entre outras. Ainda no mesmo ano, sua composição “Pelo tempo que durar”, em parceria com Adriana Calcanhotto, foi apresentada, na voz de Mariene de Castro, na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no Maracanã. No ano de 2017, em parceria com Paulinho da Viola, fez turnê com o show "Paulinho da Viola Encontra Marisa Monte", iniciada no Citibank Hall, em São Paulo, depois seguindo para Belo Horizonte no BH Hall, e Rio de Janeiro, no KM de Vantagens Hall. Nos espetáculos a dupla apresentou alguns de seus sucessos e clássicos da música popular brasileira. Ainda em 2017, Marisa Monte retornou com o grupo Tribalistas, com o qual forma trio com Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown. O anúncio da volta das atividades se deu pelas redes sociais e logo depois, no mesmo ano, foi lançado um novo disco, quebrando um jejum de 15 anos do grupo. O novo trabalho, que saiu pelas gravadoras Phonomotor Records e Universal Music, levou o nome de “Tribalistas” e contou com 10 músicas inéditas e mais um DVD com cenas de bastidores e estúdio, além de ter sido produzido pelo trio junto a Alê Siqueira e Daniel Carvalho. No CD foram incluídas as faixas “Diáspora” (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte), “Um só” (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown, Marisa Monte e Brás Antunes).

Fonte: http://dicionariompb.com.br/marisa-monte 

PUBLICIDADE